Os 13 Ramos do Cooperativismo

No Brasil existem cooperativas em 13 setores da economia. Todas representadas pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) nacionalmente e pelas organizações estaduais (OCEs) nas unidades da federação. Para melhor cumprir sua função de entidade representativa do cooperativismo brasileiro, a OCB estabeleceu os ramos do cooperativismo baseados nas diferentes áreas em que o movimento atua. As atuais denominações dos ramos foram aprovadas pelo Conselho Diretor da OCB, em 4 de maio de 1993. A divisão também facilita a organização vertical das cooperativas em confederações, federações e centrais.

O segmento é composto por Cooperativas de produtores rurais ou agropastoris e de pesca, cujos meios de produção pertencem ao cooperado. Dados do Censo Agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 48% de tudo que é produzido no campo brasileiro passa, de alguma forma, por uma cooperativa.O ramo Agropecuário caracteriza-se pelos serviços prestados aos associados, como recebimento ou comercialização da produção conjunta, armazenamento e industrialização, além da assistência técnica, educacional e até social.

Cooperativas dedicadas à compra em comum de artigos de consumo para seus cooperados. Podem subdividir-se em fechadas ou abertas. As fechadas são aquelas que admitem como cooperados somente as pessoas ligadas a uma mesma cooperativa, sindicato ou profissão, que, por sua vez, geralmente oferece as dependências, instalações e recursos humanos necessários ao funcionamento da cooperativa. As abertas são as que admitem qualquer pessoa que queira a elas se associar.

Uma cooperativa de crédito (ou instituição financeira cooperativa) é uma associação de pessoas que nela ingressam voluntariamente (se tornando sócias) e que passam a fazer suas movimentações financeiras através dela. Os sócios passam a ser os donos da cooperativa – isso é uma das principais diferenças em relação aos bancos privados -, juntamente com centenas ou milhares de outras pessoas, tendo como benefícios melhores preços e/ou melhor atendimento, distribuição de sobras e a participação na gestão da cooperativa.O objetivo principal de uma cooperativa de crédito é prestar serviços de natureza financeira, assim como reunir a poupança de seus cooperados e lhes proporcionar empréstimos com taxas menores que as praticadas no mercado. Assim como instituições privadas, as cooperativas de crédito seguem as regras ditadas pelo Banco Central do Brasil, o que confirma a credibilidade do ramo Crédito.

Segmento formado por cooperativas de alunos, pais de alunos ou professores, essas cooperativas buscam viabilizar algumas das atividades desenvolvidas pelo próprio estabelecimento de ensino. O papel da cooperativa de ensino é ser a mantenedora da escola, que deve funcionar de acordo com a legislação em vigor, ser administrada por especialistas contratados e orientada por um conselho pedagógico, constituído por pais e professores. Do intercâmbio entre essas partes surge o produto final: preparação dos alunos para enfrentarem, em melhores condições, os desafios do mundo e intervirem como agentes da história. No caso específico das Cooperativas de Ensino é importante interpretar o empreendimento muito mais do ponto de vista social e ideológico que econômico.

Este segmento cooperativo é constituído por pessoas que precisam de auxílio especial, sejam eles físicos, sensoriais, psíquicos e mentais, assim como dependentes químicos, egressos de prisões, condenados a penas alternativas ou pessoas em situação familiar desajustada. Desenvolve e executa programas especiais de treinamento, visando aumentar a produtividade e a independência econômica e social desse grupo.

Cooperativas constituídas com o objetivo de atender a demanda de seu quadro social em relação à moradia, atuando na construção,manutenção e administração de conjuntos habitacionais.

Cooperativas que atendem direta e prioritariamente o seu quadro social com serviços essenciais, como energia e telefonia. É constituído por cooperativas que têm por objetivo prestar coletivamente um determinado serviço ao quadro social. As cooperativas fornecem os serviços à comunidade do seu entorno, seja gerando ou repassando os serviços de concessionárias. Essa solução surgiu porque o ramo Infraestrutura não é um empreendimento rentável e, assim, não atrai as concessionárias. Aos poucos, as cooperativas de infraestrutura estão deixando de ser meras repassadoras de serviço para se tornarem geradoras.

No Brasil são mais conhecidas as cooperativas de eletrificação e de telefonia rural. Em todo o Brasil, atuam em aproximadamente 1.402 municípios, o que corresponde a 25% do total de municípios brasileiros, atendendo em torno de seiscentos mil consumidores em todo o País, concentrados nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste. Desse universo atendido, cerca de 75% dos beneficiados são rurais e 25% urbanos.

Essas cooperativas são constituídas com a finalidade de pesquisar, extrair, lavrar, industrializar, comercializar, importar e exportar produtos minerais. É um ramo com potencial enorme, principalmente com o respaldo da atual Constituição Brasileira de 1988, mas que necessita de especial apoio para se organizar. Os garimpeiros geralmente são pessoas que vêm de diversas regiões, atraídas pela perspectiva de enriquecimento rápido, aglomerando-se num local para extrair minérios, sem experiência cooperativista. As cooperativas de garimpeiros muitas vezes cuidam de diversos aspectos, como saúde, alimentação, educação, dos seus membros, além das atividades específicas do ramo.

Formado por cooperativas dedicadas à produção de bens e mercadorias, sendo os meios de produção de propriedade cooperativa e não de propriedade individual. Nesse ramo, os cooperados organizam a produção dos bens e participam de todo o processo administrativo, técnico e operacional da cooperativa. Para os empregados, cuja empresa entra em falência, a cooperativa de produção geralmente é a única alternativa para manter os postos de trabalho.

As cooperativas dedicam-se à preservação e promoção da saúde humana. É um dos ramos que mais rapidamente cresce e está presente em todos os Estados Brasileiros, cumprindo importante papel junto à comunidade de cooperados, inclusive de outros ramos, com suas farmácias, com comercialização de remédios a preços competitivos. O segmento é genuinamente brasileiro, pois surgiu no Brasil e já está se expandindo para outros países. Também se expandiu para outras áreas, como a de crédito e de seguros.

Dedica-se à organização e administração dos interesses inerentes ao grupo de profissionais cooperados, posicionando o serviço prestado por eles no mercado. As cooperativas de trabalho são constituídas por pessoas ligadas a uma determinada ocupação profissional, com a finalidade de melhorar a remuneração e as condições de trabalho, de forma autônoma. Este é um segmento extremamente abrangente, pois os integrantes de qualquer profissão podem se organizar em cooperativas de trabalho.

Desde 2012, foi promulgada a Lei nº12.690, que regulamentou o segmento econômico e busca separar as cooperativas legais das que comente quaisquer tipos de irregularidade.

Ramo criado em abril de 2002, é composto pelas cooperativas que atuam no transporte de cargas e passageiros. Até então, pertenciam ao Ramo Trabalho, mas pelas suas atividades e pela necessidade urgente de resolver problemas cruciais dessa categoria profissional, suas principais lideranças se reuniram na OCB e reivindicaram a criação de um ramo próprio.

As cooperativas de transporte têm gestões específicas em suas várias modalidades: transporte individual de passageiros (táxi e moto táxi), transporte coletivo de passageiros (vans, ônibus, dentre outros, transporte de cargas (caminhão, motocicletas, furgões, etc) e transporte de escolares (vans e ônibus).

Cooperativas que prestam ou atendem direta e prioritariamente o seu quadro social com serviços turísticos, lazer, entretenimento, esportes, artísticos, eventos e de hotelaria. O Ramo do Turismo e Lazer dispõe de um projeto conceitual e de um projeto operacional, a ser implantado em três fases: 1 – no Brasil; 2 – na América Latina; e 3 – nos demais países, com o respaldo da OCB e da ACI. As cooperativas de Turismo e Lazer podem contribuir significativamente para a geração de oportunidades de trabalho, para a distribuição da renda, para a preservação do meio ambiente e para o resgate da cidadania em plenitude, desenvolvendo a consciência ativa da cidadania planetária.