Nota de pesar: Irmã Elisabeth Alves

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Ícone na luta e engajamento em projetos sociais, sobretudo os voltados para crianças e adolescentes carentes e em situações de risco no Sul Fluminense, a irmã de caridade Elizabeth Alves morreu nesta madrugada, aos 80 anos, no Hospital da Unimed de Volta Redonda. Ela estava internada desde sábado, quando sofreu um infarto, em Arrozal, distrito de Piraí. O corpo será velado a  partir de 15h30, na Capela Mortuária, no Aterrado, em Volta Redonda, e em seguida, em Arrozal. A previsão de chegada à igreja São João Batista é 16h30. A Missa de corpo presente será celebrada às 7h desta sexta-feira, e o sepultamento, às 8h, no Cemitério de Arrozal.

A freira começou a se dedicar a trabalhos sociais sociais no final da década de 1960, no bairro São Geraldo, quando chegou a Volta Redonda, a convite do então bispo da Diocesde de Barra do Piraí-Volta Redonda, Dom Waldyr Calheiros, para coordenar a Pastoral Rural de Quatis. Mas foi a partir de 1993 que seu empenho ganhou ainda mais destaque. Naquele ano, em companhia de sua irmã, Terezinha, foi encarregada de dar atenção a Piraí, que constava entre as 30 cidades com as maiores taxas de morte materna e infantil do País. Em três anos, transformou o município em referência nacional no combate à morte de crianças por desnutrição.  Na época, criou a estrutura da Pastoral da Criança, que se estendeu por outros 12 municípios da região.

Através da Cooperativa de Produção Alternativa (COOP-PROALT), que fica na Fundação Beatriz Gama, no bairro Retiro, em Volta Redonda, ela coordenava a produção da “poderosa multimistura (feita a base de farelo de trigo, fubá de milho, pó da folha da mandioca, sementes de gergelim e sem agrotóxicos), que, segundo cálculos da instituição, há 19 anos já teria ajudado a salvar mais de 15 mil crianças desnutridas nos 12 municípios que atua. A produção da multimistura é de 10 toneladas por mês, em média. 

Três anos mais tarde, em 1996, fundou a Casa da Criança e do Adolescente, em apoio aos trabalhos da Pastoral da Criança, criada por Zilda Arns (médica pediatra e sanitarista brasileira, irmã de Dom Paulo Evaristo Arns, fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa, e que morreu em 2010). A casa passou a desenvolver diversos projetos, entre eles o Curumim e  o Cuidar, voltados para menores em risco social, especialmente vítimas de violência doméstica.

Comunicação

Comunicação

Você também pode gostar de:

OCB moderniza ramos do cooperativismo

O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, explicou que nada muda na rotina das cooperativas e que a mudança se faz necessária para promover o fortalecimento e dar maior representatividade para alguns segmentos de cooperativas.

Ler mais »

Agenda Institucional

[tribe_mini_calendar limit="3"]