Cooperativismo presente no lançamento do Censo Agro 2017

Cooperativismo presente no lançamento do Censo Agro 2017

O retrato da agropecuária dos 92 municípios do Rio de Janeiro será passado a limpo a partir do próximo domingo, 1º de outubro. Na ocasião, serão iniciadas as visitas dos recenseadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para a elaboração do Censo Agro 2017, que foi lançado no dia 28 de setembro, em evento realizado na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ). Dentre as autoridades presentes,, estava o presidente do Sistema OCB/Sescoop-RJ, Marcos Diaz.

De acordo com o coordenador operacional do Censo Agro no Rio de Janeiro, Alberto Azemiro, estima-se que mais de 5 milhões de estabelecimentos no Brasil sejam visitados. O objetivo é coletar informações que servirão de base em estatísticas oficiais e, também, para o desenvolvimento de políticas públicas voltadas ao setor, responsável por mais de 20% das riquezas do Brasil.

“No Rio de Janeiro, serão 317 servidores que atuarão no Censo, entre coordenadores, chefes de posto, recenseadores e supervisores. Os trabalhos têm início no mês de outubro e vão ocorrer até fevereiro de 2018. Os primeiros dados do Censo Agro 2017 devem ser divulgados a partir de junho de 2017”, comentou Azemiro durante o lançamento.

O chefe da Unidade Estadual do IBGE no RJ, Euclides Ferreira Dias Neto apresentou um pouco da metodologia de levantamento de dados e a importância da participação dos municípios no processo. “O Censo vai nos dar o verdadeiro retrato da realidade da agricultura e da pecuária no Rio de Janeiro. É uma oportunidade única para que possamos identificar as potencialidades e, como consequência, promover o desenvolvimento da participação da agropecuária na economia fluminense”, disse.

Representando as cooperativas do Rio de Janeiro, o presidente do Sistema OCB/Sescoop-RJ, Marcos Diaz ratificou a importância do trabalho do IBGE em retratar o cenário da agropecuária no Estado.

“O Censo será importante porque vai retratar as peculiaridades de cada empreendimento produtivo revelando a mais fiel realidade agro produtiva fluminense. Esse recenseamento vai  identificar produtores cooperativistas, os tipos de vínculos produtivos, bem como os produtores urbanos e peri-urbano, de maneira  que a sociedade reconheça o estado do rio de janeiro também como a terra da agricultura familiar; representativa, forte e ricamente diversificada”, afirmou Diaz em sua fala.

Pelo Sistema OCB/Sescoop-RJ, participaram o conselheiro da OCB/RJ, Antônio César do Amaral, e os assessores da presidência da OCB/RJ, Adelson Novaes, Carlos Piragibe e Sabrina Oliveira.

Reportagem: Richard Hollanda – Comunicoop – Assessoria de Comunicação do Sistema OCB/RJ