Alerj lança campanha #NãoCompreViolência

Alerj lança campanha #NãoCompreViolência

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) está lançando, em parceria com o Disque Denúncia, a campanha #NãoCompreViolência. Feita a pedido da Comissão de Segurança Pública da Casa, o objetivo é conscientizar a população fluminense sobre o papel de cada cidadão no combate a um crime que virou uma verdadeira epidemia no estado: o roubo de cargas. O anúncio foi feito hoje (25/08) no Fórum de Desenvolvimento Estratégico do Rio de Janeiro, que contou com a presença da OCB/RJ.

A Alerj acredita que todos os esforços públicos e privados feitos para combater essa prática terão mais eficácia quando as pessoas compreenderem que, ao comprarem uma mercadoria roubada achando que estão fazendo um grande negócio (o famoso “me dei bem”), elas estão praticando um crime, previsto no Código Penal (art. 180), com pena de um a quatro anos de prisão, e também alimentando a violência da qual todos nós somos vítimas.

A campanha, cujo slogan é “Mercadoria Roubada: Quem Compra, Faz Vítimas”, será aberta à participação das entidades que compõem o Fórum Estratégico de Desenvolvimento do Estado da Alerj, como OCB/RJ,  Firjan, Fecomércio, Associação Comercial e Fetranscarga, entre outros, além de agentes públicos e privados que queiram participar. Todos poderão assinar e usar as peças produzidas pela Alerj na sua comunicação, canais institucionais e na sua propaganda.

Consequências
O roubo de cargas contribui para agravar a crise econômica fluminense, já que aumenta o preço dos produtos e pode levar ao desabastecimento, causando efeito cascata em diversos setores: diminui a arrecadação de impostos para investimentos públicos em serviços como saúde, segurança e educação; e aumenta a fila de desempregados.

Os danos não se resumem ao cenário econômico. Esse crime financia diretamente o crime organizado e o tráfico de drogas e armas. Segundo investigações dos órgãos de segurança pública, o delito garante dinheiro rápido para os traficantes comprarem armas e munição, acirrando a violência.

Ações da campanha
A campanha #NãoCompreViolência prevê inserções online e offline, além de ações de impacto nas ruas para fazer a população compreender as consequências geradas pela compra de um produto de origem suspeita.

Um site com dados atualizados sobre roubo de cargas no estado.

Além disso, lojistas serão provocados a informar nos seus estabelecimentos, por meio de cartazes similares aos usados nos anúncios de promoção, que o roubo de cargas encarece o preço dos produtos, causa desabastecimento e alimenta o crime.

Outra ideia é que grandes magazines e mercados promovam, em uma data emblemática (como o Dia do Comércio, comemorado em 30 de outubro), um desconto correspondente ao custo do adicional que roubo de cargas provoca nas mercadorias ofertadas.

Influenciadores digitais, que costumam anunciar produtos que ganham aos borbotões em suas redes sociais seguidas por milhares de pessoas, irão mostrar caixas vazias chegando às suas casas, porque os produtos ficaram pelo caminho, nas mãos de criminosos, e vão explicar, com a linguagem informal que eles utilizam, o impacto nefasto desse crime para a sociedade como um todo.

Fonte: Alerj