No Dia Internacional da Mulher, cooperada recebe homenagem na Alerj

No Dia Internacional da Mulher, cooperada recebe homenagem na Alerj

No dia 8 de março é celebrado o Dia Internacional da Mulher. Essa data representa a luta pelos direitos, pela igualdade e pelo fim da violência contra a mulher. E para Maria Adelina Di Mare Salles a data foi ainda mais especial.

Representante do Ramo Educacional pelo Sistema OCB/RJ e presidente da Cooperativa Tupambaê, Adelina Salles foi uma das homenageadas pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) com o diploma Mulher-Cidadã Leolinda de Figueiredo Daltro. A premiação destina-se a mulheres que, no Estado do Rio de Janeiro, tenham contribuído efetivamente na defesa dos direitos da mulher e em questões de gênero.

O evento foi organizado pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, da Alerj. A presidente da Comissão, Deputada Enfermeira Rejane, falou dos principais desafios encontrados pela classe feminista. “É importante termos consciência de que o dia da mulher é todo dia. Nós somos mais de 53% da população e a mulher ainda é a principal vítima da violência no país. Avançamos na luta para ter uma secretaria de mulher, o que nem o estado tem. Hoje é o dia de luta das mulheres, nós queremos nossos direitos e ter avanços nos direitos da mulher no estado”, discursou a deputada.

Presente no evento, a primeira dama do município, Sílvia Crivella, reforçou o coro da deputada e parabenizou as mulheres pela luta. “Temos que nos unir para fazer a diferença. Todos nós temos nossa função e a cada ano que passa temos demonstrado nosso valor na sociedade. Desejo um feliz dia, mês e ano à todas as mulheres”, declarou.

Pelo Sistema OCB/Sescoop-RJ, estiveram presentes o vice-presidente Jorge Meneses, os conselheiros de Administração do Sescoop-RJ, Inês Di Mare e Antônio César do Amaral. os assessores da presidência, Adelson Novaes e Carlos Piragibe, o coordenador de Formação Profissional, Valdinei Calixto, e a técnica de Promoção Social, Camila Feitosa. Segundo Jorge Meneses, o apoio do cooperativismo é fundamental para a luta pela igualdade de gênero. “As mulheres têm uma parcela importante não só no cooperativismo, mas em qualquer lugar da vida. Como o cooperativismo defende a harmonia e a troca de experiências, também queremos que as mulheres tenham os mesmos direitos, e é por isso que o Sistema OCB/Sescoop-RJ apoia essa luta essencial”, disse.

Homenageadas

O evento também premiou outras mulheres que lutam pelos direitos da parcela feminina da sociedade e, muitas vezes, são anônimas em suas lutas. Adelina Salles foi indicada para receber o diploma pelo trabalho de educação, formação e comunicação social disseminando os princípios do cooperativismo, com destaque para o valor da igualdade para todo o Sistema OCB/Sescoop-RJ. Segundo ela, o evento enaltece o trabalho e ajuda a divulgar a importância de suas ações. Em seu discurso, citou a contribuição do Sistema OCB/Sescoop-RJ nessa luta.

“Agradeço em particular ao Sistema OCB/Sescoop-RJ, no qual represento a Educação. Somos o representante do cooperativismo no estado e agradeço aos diretores que nos deram a oportunidade de criar o Comitê Terezita. Dedico essa homenagem à todas as mulheres da minha vida, e também a todas nossas companheiras, mulheres cooperativistas que fazem parte da nossa comunidade”, disse Adelina, que em 2000 participou da fundação do Comitê Gestor de Gênero Dona Terezita, que discute políticas públicas com foco nos direitos das mulheres, a fim de avançar na política de gênero e fortalecer a parceria entre os poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e a Sociedade Civil.

Demais homenageadas:

• Célia Citeli Pereira – Funcionária pública aposentada do Estado, representante da Federação das Associações da Baixada (MAB) e indicada pela União Brasileira de Mulheres;
• Dilcéia da Rocha Quintela – Pedagoga e indicada pelo Conselho Estadual dos Direitos da Mulher;
• Lígia Doutel de Andrade – Historiadora e indicada pela Associação de Mulheres Beth Lobo de Volta Redonda e Região Sul Fluminense;
• Ludmila Fontenele Cavalcanti – Professora e decana do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFRJ e indicada pela UFRJ;
• Maíra Costa Fernandes – Advogada e indicada pelo Alto Comissariado da ONU;
• Maria Celina de Oliveira – Técnica de Enfermagem e Instrumentadora, indicada pela Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CUT);
• Maria do Espírito Santo Tavares dos Santos – Professora e médica sanitarista, indicada pela Secretaria Estadual de Saúde – Programa de Atenção Integral à Saúde da Mulher, Criança, Adolescente e Aleitamento Materno (PAIMCSA);
• Shirley da Costa Behrends – Funcionária pública municipal e indicada pela Superintendência da Mulher de Mangaratiba;
• Suzete Paiva dos Santos – Professora indicada pela União de Negras e Negros pela Igualdidade (UNEGRO).

Quem foi Leolinda de Figueiredo Daltro

A mulher que dá nome ao prêmio, a educadora Leolinda Daltro, nasceu na Bahia e trabalhou com grupos indígenas em Goiás. Precursora do movimento feminista no Brasil, fundou, em dezembro de 1910, no Rio de Janeiro, o Partido Republicano Feminino, depois que a Justiça negou seu pedido de alistamento eleitoral. Também foi a responsável pela mobilização, em novembro de 1917, que reuniu quase cem mulheres, em marcha pelas ruas do Rio de Janeiro pelo direito ao voto. A rebeldia de Leolinda e de suas companheiras chamou a atenção da imprensa, provocou polêmica e deu visibilidade à condição feminina no Brasil. Ela foi a primeira feminista candidata às eleições municipais, em 1919.
Outras homenagens

Ao longo do dia, outras homenagens ocorreram. Na prefeitura do Rio, Adelina Salles foi homenageada pela secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos. O Conselho dos Direitos da Mulher da Cidade do Rio de Janeiro (CODIM-Rio), do qual Inês Di mare faz parte, esteve presente. Inês ressaltou a luta pela igualdade de gênero.

“O Conselho levou mais de 30 anos para ser implantado no município. Estamos aqui para trabalharmos juntos e fiscalizar, garantindo que todos os serviços de proteção e segurança a mulher continuem funcionando. Temos violências a mulheres em toda a cidade, e é preciso estarmos espalhados para evitar a violência e garantir a igualdade do direitos da mulher”, discursou.

Além da prefeitura, as cooperadas também passaram pela Câmara dos Vereadores e fecharam o dia com uma passeata em prol dos direitos da mulher, na Candelária (no Centro da cidade).

Confira as fotos:

Fonte: Júlio Camacho – Comunicoop – Assessoria de Comunicação do Sistema OCB/RJ