Delegada Federal da SEAD vê Sistema OCB/RJ como parceiro nas atividades da Agricultura Familiar

Delegada Federal da SEAD vê Sistema OCB/RJ como parceiro nas atividades da Agricultura Familiar

O Sistema OCB/RJ tem uma importante relação com as cooperativas de agricultura familiar do estado, sendo um agente mobilizador para alguns programas de políticas públicas. A afirmação é da Delegada Federal do Desenvolvimento Agrário (DFDA) da Secretaria Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (SEAD), Danielle Barros.

Atualmente, as duas instituições estão trabalhando em parceria no Programa Mais Gestão, para promover o fortalecimento de cooperativas da agricultura familiar por meio da qualificação de seus sistemas de gestão (organização, produção e comercialização).

O Sistema OCB/RJ, inclusive, foi um dos mobilizadores de um evento ocorrido no dia 25 de janeiro de 2017, em Nova Friburgo. Na ocasião, a SEAD reuniu cerca 60 representantes de cooperativas, associações e colônias da agricultura familiar fluminense para anunciar o lançamento de uma chamada pública do Programa Mais Gestão, que será publicada em março deste ano para atender, exclusivamente, 15 negócios da agricultura familiar fluminense administrados por instituições possuidoras de Declarações de Aptidão ao Pronaf (DAP) na modalidade jurídica.

“ O Programa Mais Gestão usa metodologia de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) específica para cooperativas da agricultura familiar. Isto, porque as cooperativas da agricultura familiar têm sido, de forma crescente, confrontadas com a exigência de aprimorarem suas práticas de gestão, de modo a alcançarem melhores resultados de mercado e renda para seus cooperados”, disse Danielle Barros.

Ela também ressaltou que ao todo, 45 agricultores familiares representantes de entidades selecionadas através do edital receberão 24 horas de treinamento em especialidades que vão desde o diagnóstico inicial do negócio, até a comercialização dos produtos da agricultura familiar. Além disso, terão orientações nas áreas de planejamento, finanças e marketing, dentre outros conhecimentos técnicos voltados para o aprimoramento da produção e o fortalecimento dos empreendimentos produtivos rurais.

“ Isso vai ajudar os agricultores formais e informais a organizarem o seu negócio. Se hoje chegarmos a um deles e perguntarmos o que cada um produziu nos últimos cinco anos, ou em qual ano produziram mais, não saberão a resposta, pois não têm registros. Esta falta de gestão atrapalha para que eles alcancem alguns mercados institucionais, tais como Universidades Federais, Corpo de Bombeiros e Bases Militares. Assim, o Programa cai como uma luva para organização destes dados.”, disse Danielle.

Além desta capacitação inicial, os técnicos visitarão as cooperativas que estiveram inseridas no Programa:

“Esta fase é importante porque teremos o feedback dos cooperados e poderemos avaliar os pontos positivos e negativos do Mais Gestão”, explicou

Um outro ponto que o Programa Mais Gestão quer mostrar, segundo Danielle, é que o Rio de Janeiro não pode ser visto apenas como ponto turístico, com suas belas paisagens:

“O meio rural do estado é ofuscado pelas belezas naturais do Rio de Janeiro. Então o Programa quer promover o desenvolvimento agrário a partir da agricultura familiar e mostrar que o estado também é forte no campo”. Ressaltou também que os pilares para este desenvolvimento serão reforçar as políticas públicas da agricultura, levá-las ao conhecimento das cooperativas, e ter presença efetiva junto aos agricultores.

PNDTR

O Termo de Cooperação Técnica  entre o Sistema OCB/RJ e a SEAD está na fase de análise jurídica. Mas isso não impede o desenvolvimento de parcerias. De acordo com Danielle, o próximo passo é atuar com o Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural (PNDTR), que promove a inclusão social das mulheres do campo, através da emissão gratuita de documentação civil, trabalhista e previdenciária.

“Sem documentos, várias trabalhadoras, a maioria mães e até mesmo chefes de família, deixam de ser beneficiadas por políticas públicas federais, estaduais e municipais que poderiam contribuir para a inclusão social da mulher rural e a redução das desigualdades no campo. Contamos com o Sistema OCB/RJ para atuar juntamente conosco organizando mutirões em alguns municípios”, disse.

 

Fonte: Bruno Oliveira – Analista de Comunicação do Sistema OCB/RJ