Desenvolvimento da Eletrificação Rural está ligado às fontes renováveis de energia

Desenvolvimento da Eletrificação Rural está ligado às fontes renováveis de energia

O futuro da geração de energia está em fontes renováveis, como o vento (eólica), sol (fotovoltaica), entre outras. As cooperativas de Eletrificação Rural (Ceres, Cerci e Ceral) também passam por um período de transformação, e no dia 7 de dezembro realizaram, em parceria com o Sistema OCB/Sescoop-RJ, a Coopergia, e o Centro de Novas Energias (CNE), o workshop Geração Distribuída Rural e o Cooperativismo – Novos Caminhos. 
Cabe ressaltar que a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) – através da Resolução nº 482/2012 – criou ainda a figura da “geração compartilhada”, possibilitando que diversos interessados se unam em um consórcio ou em uma cooperativa, instalem uma micro ou minigeração distribuída e utilizem a energia gerada para redução das faturas dos consorciados ou cooperados. 
 
Além disso, em novembro, dirigentes das cooperativas de eletrificação do Rio de Janeiro visitaram cooperativas da Alemanha e Itália para trocar informações e trazer experiências para serem colocadas em prática no Brasil. 
 
Presidente da Cooperativa de Serviços em Energia (Coopergia), Djalma Rosa, esse é um momento histórico. “Nossa cooperativa é formada por profissionais que trabalharam ou trabalham em Furnas, o que nos dá uma excelente expertise sobre o tema. No entanto, nunca tínhamos nos reunido com as cooperativas de eletrificação rural. Acredito que a partir de hoje podemos contribuir para mudar o segmento de patamar”, disse. 
 
Entre os dirigentes das cooperativas, o sentimento era de um novo momento. Presidente da Cooperativa de Eletrificação de Resende (Ceres), Vander Gomes, disse que “é preciso aproveitar o momento e investir na gestão compartilhada e no uso de energia renovável”. Já o presidente da Cooperativa de Eletrificação Rural Cachoeiras Itaboraí (Cerci), José Carlos de Souza, afirmou ser preciso “ter um novo olhar para o uso de fontes renováveis, pois é uma caminhada importante para o segmento”. 
 
Presidente do Sistema OCB/Sescoop-RJ, Marcos Diaz, comentou que o cooperativismo precisa ser vanguardista e que o ramo Infraestrutura deve trabalhar com as fontes renováveis de energia. “Se o cooperativismo não estimular a mudança, as empresas capitalistas não farão. Então, chegou a nossa hora de fazer valer a nossa força e proporcionar a mudança que o Brasil precisa em seus mais diversos segmentos, como o energético”, afirmou. 
 
Palestras
Para dar bases de conhecimento, durante o workshop alguns temas foram abordados, como:  as possibilidades de geração distribuída rural, que abordou as mais diversas fontes energéticas, como a eólica, solar e a biomassa, a Experiência europeia com o cooperativismo e geração distribuída rural e o financiamento para o desenvolvimento do segmento.
 
Fórum
Ao final do encontro os participantes debateram acerca das novas gerações de energia. Um Fórum para tratar deste tema será realizado, mas ainda não tem data definida.

 

Fonte: Richard Hollanda – Comunicoop – Assessoria de Comunicação Sistema OCB/Sescoop-RJ