Sistema OCB incentiva o voto consciente

Sistema OCB incentiva o voto consciente

O Sistema OCB acaba de editar a versão 2016 da cartilha Cooperativismo e Eleições, focada no processo eleitoral dos municípios brasileiros. O material, que está sendo enviado às cooperativas do país nesta semana, também está disponível online. A intenção é contribuir para que cooperativas e cooperados do Brasil reflitam sobre a importância do momento. De caráter didático, a publicação apresenta as regras do processo eleitoral com base nas leis específicas.
 
“Consideramos a cartilha um estímulo para o voto consciente. Nosso objetivo é incentivar a participação no processo político de forma concreta e efetiva. As cooperativas podem e devem fazer parte desse momento, afinal, nosso setor é forte e merece ser ouvido”, aponta Tânia Zanella, gerente geral da OCB.
 
A cartilha esclarece dúvidas e apresenta dicas para os eleitores, além de atualizar as regras estabelecidas pela legislação eleitoral. A principal mudança desta edição é que, em 2016, as pessoas jurídicas (incluídas aqui as sociedades cooperativas) não podem realizar doações. Ainda, o material explica como participar ativamente destas eleições, de forma ética e transparente.
 
Um exemplar impresso será enviado para cada cooperativa integrante do Sistema OCB. 
 
A 21ª edição da revista Saber Cooperar traz também uma reportagem especial sobre o voto consciente. As eleições marcadas para o mês de outubro assinalam uma boa oportunidade para o movimento cooperativista reforçar sua atuação no processo democrático. É com este pensamento que o Sistema OCB, em conjunto com as organizações estaduais, incentiva a participação da categoria no processo político.
 
O superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, lembra que o desenvolvimento do cooperativismo se encontra estreitamente relacionado ao processo eleitoral, na medida em que, por meio do voto, o cooperado pode ajudar a eleger candidatos que levantem a bandeira do cooperativismo na discussão de legislações e políticas de inclusão produtiva e desenvolvimento regional. “A gente estimula as cooperativas a participarem do processo político porque, quanto maior essa participação, mais teremos apoio efetivo na construção de uma agenda positiva para as cooperativas”, explica.
 
“A gente estimula as cooperativas a participarem do processo político porque, quanto maior essa participação, mais teremos apoio efetivo na construção de uma agenda positiva para as cooperativas”, explica Nobile.

 

Fonte: Brasil Cooperativo